Limite #7 – Junho 2022

.

“O que fazer após Ulysses?”, por Paula Mermelstein

– Reflexões sobre fazer e escrever sobre cinema e arte

Os filmes de Richard Serra, por Matheus Zenom

– Percurso descritivo dos trabalhos cinematográficos do escultor

Três filmes de Chabrol, por Paula Mermelstein

– “Que la bête meure” (1969), “Le Boucher” (1970) e “Une affaire des femmes” (1988)

“The Straight Story” (1999), por Matheus Zenom

– Sobre o filme de David Lynch

De Walsh a Hellman, de Gallo a Loden: atravessando a América, por Davi Pedro Braga

–Do western ao road movie: “Big Trail”, “Two Lane Blacktop”, “Brown Bunny” e “Wanda”

Pelas ruas de Hollywood, por Paula Mermelstein

– Sobre “Once Upon a Time in Hollywood” de Quentin Tarantino

Jessica Holland, ontem e hoje, por Luiz Fernando Coutinho

– De “I Walked with a Zombie” (1943) a “Memoria” (2021)

Olhemos para os pôsteres poloneses, por Vinicius Dratovsky

– Reflexões sobre o fazer artístico a partir da “Escola Polonesa de Pôsteres”

Um poema e duas posturas ébrias distintas, por Yael Carvalho Torres

– “Rhubaiyat” nas traduções de Octávio Tarquínio e Manuel Bandeira

As flores que desaparecem com o tempo, Yael Carvalho Torres

– Percurso de um poema de D.Dinis I entre a trova e a canção popular

.

Edição: Matheus Zenom e Paula Mermelstein.

Textos: Davi Pedro Braga, Luiz Fernando Coutinho, Matheus Zenom, Paula Mermelstein, Vinicius Dratovsky e Yael Carvalho Torres.

Capa: Paula Mermelstein.

.